O que são fontes de energia renováveis e não renováveis ?

7 minutos para ler

Em tempos de transformações climáticas, muito tem se falado sobre as fontes de energia renováveis e não renováveis, mas você sabe por que e qual a diferença entre elas? De maneira simples, a primeira diz respeito a geração de energia a partir de recursos inesgotáveis, como o sol e o vento, enquanto a segunda de matérias-primas que eventualmente podem acabar como, por exemplo, o petróleo.

A questão fundamental sobre esse assunto está no fato de que há uma necessidade de explorar mais as fontes renováveis de eletricidade e combustível. A superpopulação e a globalização têm feito os recursos naturais se esgotarem com muita rapidez, gerando uma preocupação sobre como será quando eles de fato acabarem.

Além disso, o impacto ambiental causado pela exploração das fontes não renováveis também precisa ser reduzido com urgência, pois essa prática contribui com o aquecimento global e mudanças climáticas. Continue a leitura para entender melhor essas duas fontes de energia, suas vantagens e desvantagens.

Quais as diferenças entre fontes de energia renováveis e não renováveis?

Podemos entender fontes de energia como tudo aquilo o que é usado para produzir, direta ou indiretamente, a energia necessária para funcionar um equipamento elétrico. Ou seja, é a matéria-prima que se transforma em combustível para gerar eletricidade. Dessa forma, países com disponibilidade de diversas fontes de energia renováveis e não renováveis — e que sabem explorá-las — têm mais chances de crescimento.

Como o próprio nome já indica, as fontes de energia não renováveis são limitas. Como o petróleo que, após ser utilizado como combustível, não consegue retornar para o meio ambiente de modo a ser reutilizado. Outros exemplos desse tipo de matéria-prima são: carvão, xisto e gás natural.

Já as chamadas energias renováveis vêm de fontes ilimitadas. Ou seja, a matéria-prima é algo inesgotável e pode ser aproveitado sem preocupação de que um dia acabará. Elas regeneram-se naturalmente ou a partir de alguma intervenção humana, e por isso, são sustentáveis. Existem várias fontes, como:

  • água: a força da água dos rios, mares e oceanos movimenta turbinas que geram energia;
  • sol: os raios solares alimentam sistemas de aquecimentos e produzem eletricidade por meio das placas fotovoltaicas;
  • vento: produz a eletricidade eólica por meio dos aerogeradores;
  • calor: as usinas geotérmicas utilizam do calor próprio do interior da terra para gerar energia;
  • matérias orgânicas: formam a biomassa que, pela queima, aquece a água e o vapor gerado movimenta as turbinas;
  • hidrogênio: reações entre esse elemento e o oxigênio também são capazes de gerar energia.
  • cana-de-açúcar, eucalipto e beterraba: matérias-primas para o combustível etanol.

Todas essas formas de se obter eletricidade são consideradas limpas, ainda que algumas afetem o planeta de alguma forma. Já as não renováveis, além de explorar um recurso finito, ainda emitem gases que contribuem para o efeito estufa e acidentes que, geralmente, significam tragédias ambientais.

Qual é a melhor fonte de energia?

Certamente a melhor fonte de energia é a renovável, já que não polui o meio ambiente no processo de transformação e é mais segura. No entanto, ainda existem aquelas são consideradas as mais adequadas em função do seu baixo impacto ao meio ambiente.

A hidrelétrica, por exemplo, apesar de utilizar a água como matéria-prima, causa um impacto no meio ambiente devido às barragens que formam enormes lagos, inundando ecossistemas, mudando o clima da região e, por vezes, obrigando cidades inteiras a se retirarem de um determinado local — ou seja, há uma questão ambiental e social importante. Porém, por sua efetividade, custo e viabilidade ela é a principal fonte de energia no Brasil.

Já a energia eólica, também bastante utilizada, tem como desvantagem a poluição sonora, uma vez que os aerogeradores são muito barulhentos. A biomassa, por sua vez, causa mau cheiro, já que trata-se de matéria orgânica e, pode levar a queimadas e desmatamento na busca pela produção da matéria-prima.

Temos, então, a solar, que não gera barulho, mau cheiro e tampouco inundações. Sua desvantagem se deve ao alto custo de implantação do sistema. Porém, nos últimos anos, o surgimento de novas indústrias e fábricas aumentou a concorrência, fazendo com que os preços das placas fotovoltaicas e outros materiais utilizados para a instalação do sistema caíssem.

É importante entender que, apesar dos prós e contras, todas essas energias ainda são melhores do que aquelas provindas de fontes não renováveis. As termelétricas, por exemplo, queimam gás e carvão e geram gases que contribuem para o aumento do efeito estufa e aquecimento global.

Assim, a busca por soluções ecologicamente corretas tem crescido ao mesmo tempo em que a consciência sobre os impactos que a geração de energia causa ao meio ambiente.

Quais as fontes de energias renováveis mais fáceis de explorar?

No Brasil, podemos destacar a solar e a eólica, uma vez que a geografia do nosso país favorece a geração de eletricidade por meio dessas duas fontes renováveis e limpas. A segunda forma tem crescido muito, sendo que atualmente é a terceira principal matriz energética do nosso país.

A desvantagem dela, além da poluição sonora, é o fato de o vento não ser tão constante e nem suficiente em algumas regiões do país. O nordeste é o local com maior potencial eólico e onde o abastecimento por essa matriz energética já chega a mais de 60%.

Já o sol é uma fonte constante no Brasil, que se destaca como um dos países com maior irradiação solar ao longo do ano. É possível gerar eletricidade durante todo o período anual, inclusive no inverno e ter microgeradores para abastecer empresas e residências sem depender de usinas, o que aumenta a segurança energética.

Tantos benefícios têm feito a energia solar crescer no Brasil, sendo que, em 2019, ela superou a nuclear e hoje é a nossa sétima principal matriz energética. A possibilidade de financiamentos para instalação de micro e minigeradores, a queda nos preços dos materiais e mão de obra e os benefícios têm atraído cada vez mais pessoas a optarem pelos painéis fotovoltaicos para gerar eletricidade.

Entre as fontes de energia renováveis e não renováveis, a busca pela primeira é uma tendência e uma necessidade no mundo. Os países precisam de soluções econômica e ambientalmente viáveis para manter o crescimento. Ademais, as mudanças climáticas pedem atitudes urgentes pelo bem da saúde da população.

Isso não significa, no entanto, que se deixará de explorar o petróleo, por exemplo, mas é preciso pensar em como utilizar esse recurso com mais sabedoria. Assim como, ao escolher entre uma hidrelétrica ou usina solar, é preciso analisar o custo-benefício entre elas, por exemplo.

Por fim, vale destacar que o Brasil tem grande potencial energético de fontes renováveis. Falando em consumidor final, a energia solar tem se apresentado como uma alternativa viável tanto para residências quanto empresas.

Gostou de saber mais sobre o que são as fontes de energia renováveis e não renováveis? Então, comente sua opinião sobre o assunto e se ficou com alguma dúvida, vamos adorar responder.

Powered by Rock Convert
Posts relacionados